Economistas veem balanço do Fed sob nova luz com aproximação de reunião do banco

História por Por Michael S. Derby

WASHINGTON (Reuters) - Os empréstimos históricos do Federal Reserve aos bancos após o colapso do Silicon Valley Bank abriram um enorme buraco em seu esforço para reduzir o tamanho de seu balanço, embora os economistas não vejam essa reviravolta como uma mudança em direção a um uso estimulante de seu estoque de ativos.

Em vez disso, a rápida expansão dos estoques de dinheiro e títulos do Fed surgiu como uma importante ferramenta para ajudar a conter os problemas de estabilidade financeira, revelando a missão central da autoridade monetária criada há pouco mais de um século.

O uso desses empréstimos, incluindo a muito evitada janela de desconto do Fed para empréstimos bancários, deu espaço ao banco central, se assim o desejar, para avançar com aumentos de juros e evitar ciclos anteriores em que era forçado a ficar de lado ou cortar juros quando os mercados sofriam uma turbulência notável.

Embora o Fed possa ter subestimado como as altas de juros e sua supervisão bancária afetariam o sistema financeiro, "de certa forma, eles foram notavelmente prescientes - o Fed tem tentado institucionalizar reformas na janela de desconto destinadas a melhorar a estabilidade financeira após as consequências da crise financeira no início da pandemia", escreveu Joseph Politano, da Apricitas Economics, em um boletim informativo no sábado.

Os analistas do Evercore ISI apontaram para a aparente contradição de um balanço patrimonial expandido impulsionado por temores com a estabilidade financeira que acontecem à medida que a política monetária se torna mais rígida e observaram que "raramente há uma separação perfeita entre a estabilidade financeira e os objetivos da política monetária. A política confusa do mundo real precisa abraçar isso."

Os números do Fed mostraram a velocidade da mudança para uma nova realidade de balanço. Na quinta-feira passada, os dados do banco central mostraram um aumento maciço nos empréstimos aos bancos, impulsionado notavelmente por 153 bilhões de dólares no que é chamado de crédito de janela de desconto, acima dos 5 bilhões de dólares da semana anterior e superando um recorde estabelecido em 2008, quando a crise financeira empurrou bancos para receber 112 bilhões de dólares.

Esse empréstimo, que também viu outras extensões de crédito de grande porte do Fed, elevou o tamanho do balanço geral do Fed para 8,7 trilhões de dólares, segundo dados desta quarta-feira, contra 8,4 trilhões na semana anterior. As participações do Fed atingiram um pico de pouco menos de 9 trilhões de dólares em mercados do ano passado.

Diante disso, os empréstimos de emergência desfizeram meses de progresso em que o Fed permitiu que alguns dos Treasuries e hipotecas que possui expirassem a cada mês. Esse esforço, conhecido nos mercados como aperto quantitativo, complementou os aumentos agressivos de juros do Fed com o objetivo de reduzir a inflação.

Isso coloca o banco central em uma posição aparentemente incômoda. Embora os problemas do setor bancário tenham gerado uma incerteza considerável sobre o resultado da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto, que termina nesta quarta-feira, o Fed, no entanto, parece a caminho de outro aumento de 0,25 ponto percentual nos juros dos Estados Unidos.

Benson Durham, chefe de política global da Piper Sandler, disse que a chave é a composição, e não o tamanho, das participações do Fed. Os empréstimos de emergência elevaram o nível geral de participações do Fed, mas o banco central continua a se livrar de títulos e cortar o nível de reservas no sistema bancário, que é como o processo de aperto quantitativo tem funcionado o tempo todo, disse ele.

Um fator que limita a interpretação dos economistas sobre o aumento do balanço patrimonial é a fluidez dos fatores que agora o impulsionam.

“Neste estágio inicial do processo, não está claro quanto dos empréstimos de emergência do Fed se tornarão rígidos”, disseram analistas do Wrightson ICAP em nota no fim de semana.

Mas, mesmo com essa ressalva, a empresa viu algumas implicações potenciais sobre como o Fed procede com sua redução de balanço, dependendo das posições de reserva dos bancos. Mesmo que, como esperado, o FOMC decida na reunião manter a redução no ritmo atual de 100 bilhões de dólares por mês, pode permitir que a redução termine mais cedo do que o esperado anteriormente.


Extrato bancário muda nesta segunda-feira; entenda como identificar as operações
Os extratos bancários passarão a ter nomenclaturas padronizadas para operações de saque e depósito a partir de hoje. Outras operações serão incluídas posteriormente.